segunda-feira, 14 de março de 2011

Há pais e há maridos...

A Aline e a Tânia (do que vi) citaram este texto publicado pela Miss Glitering.

"'gosto de espreitar o teu sono de criança, à noite, quando dormes alheio a tudo, e eu fico a ouvir a tua respiração e a alisar os teus cabelos. às vezes, chego a pensar que é um desperdício ir dormir, em lugar de ficar a ver-te dormir, porque o tempo voa e em breve já não serás criança. [...]'

* - e que é dedicada a "todos os pais que não se demitiram de o ser, e que gostariam de acordar todas as manhãs com os seus filhos, e vê-los adormecer todas as noites e não podem".


Eu acho-o também lindo. E é por acreditar que um pai pode deixar de ser marido e continuar a ser PAI , que o cito também. O amor entre um pai e um filho não tem necessariamente que ter a  ver com o amor entre os pais. Ou melhor, um filho às vezes nasce de um acto de amor, outras vezes não. O amor entre os pais pode não resistir, esmorecer e até morrer. Os filhos ficarão sempre ligados aos pais, mais que não seja pela herança genética. A ligação de amor por um filho, nunca devia esmorecer, nunca devia morrer, é pena que muitos pais e mães não vejam isso. É por essa razão também que embora não viva com o pai do meu filho, faço questão de fazer uma prenda para o dia do pai com ele, porque o pai dele muito embora de alguma forma tenha falhado comigo, não tem falhado com o nosso filho. E mais importante que tudo, o meu filho merece ter o amor do pai.

11 comentários:

  1. Obrigada pelas tuas palavras linda! Fiquei a chorar acredita. Só espero que um dia tenhas o que eu tenho e mais ainda, isto do fundo do coração minha amiga!

    Tens toda a razão no que dizes, as relações entre os adultos podem não dar certo, mas o amor pelos filhos é como dizes , deve ser eterno e forte. E devemos fortalecer esses laços tal como tu fazes!
    Beijo grande grande

    ResponderEliminar
  2. Sónia as minhas palavras forma sinceras e sentidas, é tudo verdade!
    Obrigada e beijo grande, grande também para ti!

    ResponderEliminar
  3. Realmente este texto é fabuloso.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Claro que todas as crianças merecem. Mesmo se os pais de algumas não merecem o amor de um filho. Também há pais (e mães) que se demitem desse papel porque encontram uma nova família e nem pagam a mísera pensão que lhes é exigida. E há aquelas superes mulheres, como tu deves ser, que criam condições para que a criança sinta o mínimo possível a falta do pai.

    ResponderEliminar
  5. Post fabulástico. É bom quando uma mãe pensa no seu filho primeiro que em si própria. Grandiosa mãe do pipoca, ele tem muita sorte mesmo. Tomara todas fossem como tu :)

    ResponderEliminar
  6. Vieram-me as lágrimas...
    Realmente os pais podem falhar um com um outro, a relação pode não ser magnifica (acho que até os casais felizes não são perfeitos) mas com os filhos é diferente. Desde que fui mãe que conheci o amor incondicional. Os filhos não devem ser afectados pelas separações e diferenças dos pais. É lindo e de muito valor o que fazes com o teu filho.
    Acho que és realmente uma excelente mãe!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Carla e Pink, podem não acreditar mas sou muitas vezes criticada e julgada por agir assim... O argumento do outro lado é sempre que o "pai não merece", o meu argumento é sempre "o meu filho merece". Ajo com a consciência de que será melhor o meu filho viver em paz do que em guerra e que é possível ter o amor de ambos os pais sem que estejam juntos, corro o risco de um dia ele dizer que quer viver com o pai, pois corro, mas não posso impedir a felicidade do meu filho só pelo egoísmo de o querer ter só para mim e sabe Deus o que me custa só imaginar que pode acontecer...
    Obrigada pelos vossa força!
    Beijinhos grandes!

    ResponderEliminar
  8. 5 estrelas :) Todas as mães/pais deviam ter esta sensibilidade. Parabéns pelo Príncipe Pipoca :)

    ResponderEliminar
  9. Acabei de ler este teu post com um grande sorriso!
    És uma mãe extraordinária!
    Beijinhos,
    Aline e Afonso

    ResponderEliminar